O papel te ajuda a compreender melhor o texto

Se você adora papel, com certeza é do time dos que tocam um livro novo, sentem seu cheiro e, quando leem uma frase bonita, gostam de sublinhar, colar post-its, escrever por cima… Sabia que todas essas atitudes, que parecem inocentes, ajudam o cérebro a compreender melhor a leitura?

Intrigados pelo tema, alguns cientistas se dedicaram a pesquisar especificamente como nosso cérebro atua nas leituras em papel ou em meios eletrônicos. Pesquisadores das universidades Plymouth e Bristol, do Reino Unido, sugeriram no ano de 2002 que nós lembramos melhor do que é lido em papel.

Em 2004, as universidades suecas Karlstad e Gothenburg foram além: concluíram que monitores eletrônicos geram estresse, e rolar páginas virtuais distrai mais que as reais. No mesmo ano, a universidade Bretagne-Sud, da França, concluiu que o papel facilita a recordação das informações e que haveria uma relação crítica entre o manejo do papel e o processamento mental do texto

Confira outros estudos recentes sobre o tema selecionados pelo jornal Zero Hora, e confira a reportagem completa aqui.

– University of North Colorado e University of Madison, 2009: na hora de estudar, preferir o papel ao e-book se mantém constante entre os alunos, a despeito de diferenças de gênero e de hábito de usar computadores.

– Andrews University, 2012: entre mais de 500 estudantes, apenas 4% opta por versões eletrônicas das bibliografias de seus cursos.

– Southwest Baptist University, 2013: o e-book só é usado quando não há uma alternativa impressa.

– University of Malaya, Malásia, 2013: questionário sobre e-books oferecidos pela biblioteca da instituição elenca diversos fatores que levam à aceitação do texto eletrônico, mas mostra vasta preferência pelo papel nos casos de uso contínuo do material, mesmo entre internautas assíduos e usuários de livros digitais.

– State University of New York, 2013: a compreensão de narrativas ou textos expositórios não é afetada pela leitura em diferentes meios, seja o papel, o computador ou o leitor eletrônico.

– California State University, 2013: participantes de experimento preferem acessar informação no papel, mas não apresentam diferenças de compreensão do conteúdo, quando leem no computador. Tomar notas compensa pela queda de qualidade na leitura causada pelo acesso à internet.

– Liberty University, 2013: em estudo com 538 alunos ao longo de um semestre, uso do texto eletrônico melhora aprendizado “afetivo” e “psicomotor”. Desempenho escolar e aprendizado cognitivo não apresentam variação significativa.

– Instituto de Tecnologia de Israel, 2014: estudantes de Engenharia apontam que o aprendizado na tela, além de menos eficiente, vem acompanhado de excesso de confiança. Esse déficit pode ser compensado com estratégias de leitura específicas.