Você conhece o papel ondulado?

Talvez o nome possa parecer estranho, mas, certamente, você já viu ou manuseou um papel ondulado. Usados em caixas para transporte de produtos, eles são mais conhecidos por papelão, mas possuem o nome de papel ondulado, pois tem uma camada intermediária de papel entre as partes exteriores, com o formato de ondas.

Curiosamente, o papel ondulado foi inicialmente projetado como proteção interna de chapéus, em 1856, na Inglaterra. Ao longo dos tempos, o material foi adaptado para o uso em embalagens, devido às características de proteção e a facilidade de trabalho.

Atualmente, o papel ondulado é a embalagem mais usada do mundo, de acordo com a Associação Brasileira do Papel Ondulado – ABPO, além de proteger, ele também transporta organiza e promove a organização dos nossos objetos.

Outro dado interessante é que o papelão é 100% reciclável, completamente biodegradável e é proveniente de fonte 100% renovável, feito com fibras naturais originárias de florestas plantadas.

 

Composto de fibras de celulose, o papel ondulado pode ser virgem ou reciclado e é dividido em três partes:

  • Capa ou forro externo: papelão fino que reveste e protege a caixa, a parte interna e o miolo do papel ondulado.
  • Miolo ou papel corrugado: feito de papel ondulado, com espaços abertos para aumentar a resistência do produto. Como o nome diz, está meio das outras duas partes. Para aumentar a resistência do papel, aumenta-se a quantidade de miolos.
  • Capa ou forro interno: similar à capa externa, é usado para forrar o miolo do papel.

 

É a composição dessas três partes que faz com que o papel ondulado suporte pesos e seja um matéria resistente, que não fure com facilidade. Quanto mais capas e miolos usados na estrutura do papel, muda a sua classificação.

E agora? Já tirou todas as suas dúvidas sobre esse material? Conte as suas impressões pra gente nos comentários!