Curto Papel

Tattoo e papelão: as duas paixões do artista Edgar de Camargo

Meus pais sempre incentivaram a arte. Quando eu era criança gostava muito de desenhar ao lado do meu irmão e do meu pai. Adorava fazer desenhos livres e na escola me destacava com os mapas nas aulas de geografia. Tempo depois conheci a arte corporal e aos 12 montei, junto com meu irmão, uma maquina de tatuagem. Foi nesse momento que fiz a minha primeira tatuagem: um homem aranha na perna.

Do Tattoo para o papelão

A paixão pelo desenho continuou na adolescência. Eu costumava criar monstrinhos, muito conhecidos hoje em dia como toys. Depois de vários anos abri o estúdio True Love Tattoo, novamente em companhia do meu irmão, que existe até hoje.

Um dia do ano 2011, depois observar a quantidade de lixo que existia nas ruas de São Paulo, tive a ideia de usar o papelão como plataforma para minha arte. Assim nasceu o Projeto Papelão, que transforma objetos descartados em obras coloridas e cheias de estilo, inspiradas na arte da tatuagem.

motoca

Arte com papelão

Com o Projeto Papelão, objetos supérfluos e rejeitados se transformam em arte, ganhando um novo significado inspirado no caos da cidade de São Paulo. Essa transformação de lixo para arte é incrível e sinto que estou contribuindo com a cidade ao retirar uma pequena parte do material descartado das ruas e levar cor e sentimento para as pessoas que vivem aqui.

As artes apresentam um efeito 3D e cores vibrantes. Atualmente crio as obras sozinho e posso levar até 30 dias para finalizá-las. A cada obra, a técnica melhora e as peças vão ficando mais perfeitas. Uma evolução natural! Depois de alguns anos, o Projeto Papelão ganhou clientes especiais e muitos amigos que apreciam minha arte. Além disso, minhas obras têm participado de diversas exposições e eventos. O que me deixa mais feliz é ver o material que estava no lixo sendo reutilizado, trazendo cores e estilo para os ambientes onde são instalados.

A minha paixão pelo papelão

O papel sempre esteve presente na minha vida. Lembro, quando era criança, da minha mãe, Olga Hypólito, andando com seus projetos de engenharia em rolos de papéis. Ela sempre foi uma grande inspiração e apoio para mim. Já tive oportunidade de trabalhar com outros materiais como MDF, madeira reutilizada, mas sem dúvida o papelão é a minha paixão. É leve, sólido e, ao mesmo tempo, fácil de cortar. Assim consigo dar forma e profundidade as minhas obras.

Para conhecer o trabalho do Edgar de Camargo, visite sua página no Facebook, confira o site Projeto Papelão ou siga o perfil no Instagram. As obras ficam expostas no estúdio True Love Tattoo.