Cinco vezes em que nos apaixonamos por Jorge Amado

Surpreenda-se novamente com a obra de um dos escritores mais conhecidos de todos os tempos

Na última semana, comemoramos o aniversário de um dos principais representantes da literatura brasileira e mundial: Jorge Amado!

Um dos escritores mais conhecidos de todos os tempos, tinha o costume de se comunicar por cartas. O amor pela literatura, pela Bahia e por Zélia Gatai, assim como as convicções políticas e as trocas de experiências com outros escritores, foram eternizadas em milhares de folhas de papel escritas por Jorge Amado.

Recentemente, a neta do escritor, Maria João Amado, declarou a sua admiração pela história dos avós em uma entrevista e apresentou alguns exemplares das famosas cartas de Jorge Amado.

160812_blog_01

Foto: Tv Bahia

Encante-se com cinco obras do escritor baiano mais querido de todos os tempos:

Capitães da Areia
A vida de um grupo de menores abandonados, chamados de “Capitães da Areia”, é contada com maestria pelo escritor baiano. Ambientado na cidade de Salvador dos anos 1930, a narrativa apresenta uma denúncia social e retrata a sociedade dos coronéis da época.

Considerada uma das principais obras do autor, recentemente a história foi adaptada para o cinema em comemoração ao centenário de Jorge Amado.

O milagre dos pássaros

160812_blog_04

Ilustração: Joana Lira

Inspirado na poesia de cordel, Jorge Amado transformou um conto popular nordestino em uma obra literária, em “O milagre dos pássaros”. Com o humor e a habilidade narrativa que lhe são próprios, o escritor recuperou e eternizou a história de Ubaldo Capadócio, do capitão Lindolfo Ezequiel e sua mulher, Sabô.

 

Dona Flor e seus dois maridos

A inspiração para a história de Flor, dona da conceituada Escola de Culinária Sabor e Arte, de Vadinho e de Teodoro, seus dois maridos, surgiu em 1965, quando o escritor Jorge Amado fazia um passeio pelas ruas de Salvador com seu amigo.

160812_blog_02

O romance sobre uma mulher em conflito, dividida entre os prazeres com um homem boêmio e a vida regrada junto a um português comportado, fez sucesso na televisão brasileira.

Gabriela, cravo e canela

Jorge Amado recria o universo de coronéis, jagunços, prostitutas e trambiqueiros de calibre variado, que desenham o horizonte da sociedade cacaueira da década de 20, de Ilhéus, na Bahia.

A história de Gabriela é o romance de Jorge Amado com o maior número de traduções, tendo sido editado em alemão, árabe, búlgaro, catalão, chinês, coreano, dinamarquês, eslovaco, esloveno, espanhol, estoniano, finlandês, francês, georgiano, grego, hebraico, holandês, húngaro, inglês, italiano, lituano, moldávio, norueguês, persa, polonês, romeno, russo, sueco, tcheco, turco, ucraniano e macedônio.

Além disso, a obra deu origem à novela e minisséries na televisão, foi retratada no cinema e virou canção nas vozes de Tom Jobim e Gal Costa. Confira:

 

Mar morto

160812_blog_03

Ilustração: Paloma Jorge Amado

Jorge Amado costumava dizer que a história de Guma, de “Mar Morto”, se conta nos cais baianos, uma lenda, como ele mesmo diz no final do livro: “assim contam os homens do mar”.

O livro faz muitas referências a pescadores célebres, cita santos do candomblé e descreve com grande detalhe o modo de vida do “povo do mar”, a morte sempre latente, náufragos e amores.