Livros infantis em realidade aumentada

Veja como se dá a integração dos livros físicos e os dispositivos eletrônicos para desenvolver o hábito de leitura desde cedo

Em meio a tantos recursos tecnológicos, como chamar a atenção das crianças e fazer com que elas desenvolvam o hábito de leitura desde pequenos? A missão parece impossível diante da diversidade de opções e da cultura digital que comanda as atividades das pessoas desde a infância.

Para romper com esses paradigmas e promover a integração entre as plataformas físicas e digitais, a editora colombiana LuaBooks desenvolveu uma linha de livros interativos, que explora a realidade virtual e proporciona aos pequenos leitores uma experiência de imersão na leitura.

Assim, os desenvolvedores do projeto criaram verdadeiras obras de arte feitas de papel, em que a qualidade literária e criativa foram priorizadas e os recursos digitais do aplicativo dão vida às ilustrações, enriquecendo a experiência física, tátil e cinestética que a leitura proporciona às pessoas.

Veja como eles funcionam:

 

Com o mesmo intuito, as brasileiras Érica Quiroga e Marina Ghetler desenvolveram o Nana Pocket e uniram a leitura e a tecnologia para criar um projeto inovador ligado ao universo 3D, desenvolvendo aplicativos para educar e entreter as crianças.

“A ideia é oferecer recursos da tecnologia e, ao mesmo tempo, desenvolver o gosto pela leitura nas crianças”, explica Érica. “Queremos que esses livros sirvam como um estímulo saudável para o uso da tecnologia e que sejam sempre comprometidos com valores, como o da responsabilidade ecológica e social”, complementa.