Descubra como o papelão pode ajudar no reflorestamento

Mais do que um material utilizado em embalagens no mundo, o papelão ondulado tem se tornado um aliado na reabilitação de Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal de florestas que precisam ser restauradas, com um custo até 50% menor em comparação aos métodos tradicionais.

De acordo com pesquisadores da Embrapa, o papelão é eficiente para uso no controle de plantas invasoras, sendo alternativa no coroamento de mudas.

Como funciona?

A técnica é simples e utiliza um disco ou placa de papelão ondulado, novo ou reutilizado, para proteger a base das mudas de espécies florestais nos primeiros anos de plantio.

Com o coroamento, a proteção faz com que as gramíneas que exercem forte competição com as espécies de reflorestamento, não se desenvolvam. Dessa forma, o crescimento das mudas ocorre da mesma forma como se fosse feito o controle da forma tradicional com enxadas, foices e roçadeiras.

Para o pesquisador Guilherme Chaer, além de impedir o crescimento das gramíneas, o papelão ondulado aumenta a taxa de sobrevivência das mudas, chega a diminuir em até 10º C a temperatura do solo superficial nos dias mais quentes e também reduz a perda de água por evaporação.

Os estudos mostraram que, em condições de campo, o papelão apresenta eficiência de até mais de um ano se tratado com uma solução à base de sulfato de cobre, substância que reduz a incidência de fungos que decompõem o material, preservando-o por mais tempo.

“A solução, derivada de soluções utilizadas para tratamento de madeira, é simples de preparar, apresenta baixo custo e baixa toxicidade para o meio ambiente”, afirma Guilherme.

Saiba mais sobre o papelão ondulado

Como já vimos por aqui, o papelão é 100% reciclável, biodegradável e proveniente de florestas plantadas, o que garante a sustentabilidade em todo o processo. Isso porque o produto que mais usa materiais reciclados em sua produção e também tem um excelente nível de reciclagem no país.