Curto Papel

A história de um samurai de papel

Conheça o artista Maurício Matsuda e inspire-se com a forma que ele transforma ideias e sonhos em peças de origami 3D

Com aproximadamente 6 anos de idade eu fiz os meus primeiros origamis, na época, o que mais me encantou foi a possibilidade de transformar uma simples folha de papel em alguma figura. Acreditei na lenda dos Tsurus e, acho que foi neste momento que o origami começou a fazer a diferença na minha vida, foi quando eu consegui dobrar os mil tsurus com muita paciência e perseverança.

01(1)

Transformando imaginação em origami 3D
Com o origami 3D consigo transformar a imaginação de uma pessoa em algo concreto que pode ser tocado e compartilhado e isso me motiva a continuar fazendo e aprimorando cada vez mais as minhas técnicas.

02(1)

O meu primeiro contato com essa técnica de origami foi em 1999, quando vi um cisne feito 3D. Não sosseguei até conseguir fazer a minha primeira peça de papel em três dimensões.

O que mais me atrai no origami 3D são as infinitas possibilidades de criação com papel. Hoje em dia a maioria dos origamis que crio é um pedido de alguém. Quando é algo que eu não conheço, passo horas ou até semanas na internet pesquisando sobre o assunto para conseguir captar os principais detalhes e então começar a fazer o origami.

03(1)

O primeiro desafio é dobrar as pecinhas, por exemplo, para fazer o Tiranossauro Rex foram mais de 2000 pecinhas dobradas uma a uma, e o segundo desafio é montar o origami em si, pois as pecinhas são coladas no momento da montagem para evitar que a criação se desmonte com facilidade.

Realização dos sonhos de um samurai de papel
O Samurai de papel foi criado em 2014 e surgiu com o objetivo de divulgar todas as minhas criações. Minha maior realização é ver as reações das pessoas quando veem os seus pedidos concretizados em um origami 3D.

04

Sem o papel nada disso seria possível, sempre que vejo uma folha de papel já fico imaginando o que eu poderia fazer com ele. A arte do origami possibilitou conhecer pessoas pelo mundo todo e participar de grupos onde compartilhamos experiências. Assim, espero conseguir divulgar e valorizar cada vez mais a arte do origami.