Agora é oficial: Literatura de Cordel é patrimônio cultural do Brasil

A manifestação artística tomou forma no Nordeste e conquistou todo o país com sua poesia e estética única.

Olha que notícia mais linda! A literatura de cordel foi declarada como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural. Uma imensa alegria para poetas, declamadores, xilogravadores, ilustradores e diversos profissionais que estão envolvidos nessa arte.

O reconhecimento também enche de orgulho ao Brasil e toca de maneira especial aos apaixonados pelo gênero literário. Causa muita alegria testemunhar como uma manifestação cultural, que nasce com imaginação e papel, tem sua importância devidamente reconhecida, não é mesmo?

O Cordel se junta a outras expressões da cultura brasileira que também são consideradas Patrimônio Imaterial Brasileiro, como o Samba de Roda no Recôncavo Baiano e o Frevo!

1610_fotos_blog_1 

Fonte imagem: Nexo Jornal

O cordel é um gênero literário nascido no Nordeste, mas de origem portuguesa, presente em todo o Brasil graças aos migrantes nordestinos. Hoje está presente principalmente nos estados de Pernambuco, Paraíba, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Minas Gerais, Distrito Federal, Rio de Janeiro e São Paulo.

Segundo o comunicado do Ministério da Cultura: “Em todos estes estados é possível encontrar esta expressão cultural, que revela o imaginário coletivo, a memória social e o ponto de vista dos poetas acerca dos acontecimentos vividos ou imaginados.”

O reconhecimento, que foi concedido por unanimidade, pode impulsionar o cordel para aparecer mais em eventos de literatura do país e garantir que continue vivo e disponível para novas gerações! Literatura de cordel vai além de ser um gênero literário, é uma verdadeira manifestação da criatividade. Se você ainda não leu, está perdendo algo muito valioso!

“Essa história que escrevi
Não foi por mim inventada
Um velho daquela época
Tem ainda decorada
Minha aqui só são as rimas
Exceto elas, mais nada”

Peleja de Manoel Riachão com o Diabo (Leandro Gomes de Barros)

 1610_fotos_blog_2 1610_fotos_blog_3

Vale fazer uma homenagem a alguns mestres aqui, pois eles trabalharam duro para que o cordel ter essereconhecimento. Podemos citar o cearense Aderaldo Ferreira de Araújo, o Cego Aderaldo, os paraibanos Leandro Gomes de Barros, Apolônio Alves dos Santos e Aderaldo Ferreira de Araújo, entre outros. Como tributo, que tal ler algumas obras desses artistas que deram brilho ao cordel? Aqui você pode aprofundar em alguns dos principais mestres dessa arte encantadora.

Você tem um outro autor para indicar? Conte pra nós! 

1610_fotos_blog_4

Quer saber mais sobre a origem e história da literatura de cordel? Dê uma olhadinha aqui: Literatura de Cordel: um símbolo da cultura nordestina.