5 livros curtinhos para você ler em um dia

Separamos títulos especiais e maravilhosos para quem adora terminar logo uma leitura. Confira a lista.

A quarentena pode ter impossibilitado algumas atividades, mas isso não significa que dentro de casa as coisas precisem cair na rotina. Pelo contrário, muita gente tem conseguido trabalhar em modelo Home Office, mantendo os finais de semana bem valorizados para o lazer. Uma ótima opção sempre será a leitura. Tirar aquele dia de descanso para ler um livro….e terminá-lo. Isso mesmo. Existem títulos excelentes que também são mais curtos. Adoro Papel preparou uma lista com cinco títulos de tirar o fôlego e que podem ser lidos rapidamente. 

 

Morte em Veneza (Thomas Mann)

O autor alemão ficou conhecido pelos chamados bildungsroman, que pode ser traduzido como “romance de formação”. Ainda que maravilhosos, geralmente são bem longos, como o seu “A Montanha Mágica”. Porém, Thomas Mann também nos brindou com pérolas curtas e que são tão fantásticas quanto. Um dos exemplos mais famosos é “Morte em Veneza”. A novela, que narra a paixão platônica de um homem de meia-idade por um jovem atraente, também teve uma linda adaptação para o cinema feita pelo diretor italiano Luchino Visconti. Entretanto, é na escrita rica e complexa de Thomas Mann que a história se torna realmente única. Com pouco mais de 100 páginas, é a leitura ideal para fazer de uma vez só. 

Morte em Veneza

 

A Hora da Estrela (Clarice Lispector)

Como fazer essa lista e não citar Clarice Lispector? Com seu estilo único e inimitável, a autora foi capaz de conceber obras lindas e extremamente curtas, mas nem por isso menos profundas. “A Hora da Estrela” foi seu último livro e funciona também como uma bela despedida. Com menos de 90 páginas, o romance narra os momentos de criação de um escritor para a história de Macabéa, órfã e solitária, e sua tia tirana que a leva para o Rio de Janeiro. O personagem do escritor é tido por muitos como sendo a própria Clarice, que revelava aí seu processo de criação. 

A hora da estrela

 

Agora e na Hora (Heloisa Seixas)

Esse breve romance da autora carioca Heloisa Seixas, que pode ser lido também como um conjunto de pequenos contos, apresenta a história de um escritor fracassado que decide fazer um livro de contos sobre a morte e, em seguida, tirar a própria vida. Tudo muda, porém, ao descobrir que está doente e com os dias contados. Com uma escrita magistral, Heloisa Seixas nos apresenta em menos de 150 páginas um forte embate sobre a vida e a morte, mas também sobre a própria mágica da literatura.

Agora e na hora

 

A Filha Perdida (Elena Ferrante) 

A italiana Elena Ferrante ficou conhecida por seus livros que retratam com maestria o universo feminino. Seu terceiro romance, “A Filha Perdida”, lançado em 2006, talvez seja um dos maiores exemplos disso. A obra, com menos 180 páginas, acompanha os sentimentos conflitantes de Leda, uma professora universitária de meia-idade que decide tirar férias no litoral sul da Itália. Partindo de uma premissa simples, Elena Ferrante constrói uma narrativa poderosa que aborda assuntos como maternidade e as consequências que a família pode ter na vida de diferentes gerações de mulheres.

A filha perdida

 

A Invenção de Morel (Adolfo Bioy Casares)

Quantas obras podem se vangloriar de serem consideradas “tramas perfeitas” por ninguém menos que Jorge Luis Borges? “A Invenção de Morel”, romance de seu conterrâneo Adolfo Bioy Casares, é uma das poucas. Em 112 páginas, o escritor argentino apresenta a história de um cidadão venezuelano que se torna recluso em uma ilha deserta para fugir de uma condenação judicial. Aos poucos, vemos como ele vai perdendo o limite entre a imaginação e a realidade. Dotado de uma escrita fabulosa, Bioy Casares não precisava de muitas páginas para criar verdadeiras obras-primas.

A invenção de Morel