100 escritoras negras brasileiras para conhecer

Agência de comunicação reúne lista com autoras nacionais que você precisa ler

 

Você consegue se lembrar de todos os livros que já leu na vida? Destes, quantos foram escritos por autoras mulheres? E quantas delas eram negras? É fato que não temos ainda muito acesso às escritoras negras, mas isso não significa que elas não estejam aí criando livros maravilhosos. Aliás, boa parte delas já possui alguns reconhecimentos, seja com prêmios ou conquistando cada vez mais admiradores. Porém, sabemos que o espaço dado a elas pode ser bem maior. E é justamente por isso que a Margens resolveu criar uma lista para apresentar algumas dessas escritoras ao público, e claro que o Adoro Papel não poderia ficar de fora dessa! 

A Margens começou com uma reportagem 360º (matérias que utilizam realidade mista, virtual ou aumentada) para mostrar escritoras marginais e periféricas. Hoje, atua também como uma agência de comunicação especializada em assessoria de imprensa para escritores, eventos literários e culturais, especialmente. A ideia de criar a lista partiu da jornalista e editora do Margens, Jéssica Balbino, e da bibliotecária e empresária da Livraria Africanidades, Ketty Valencio. Elas tiveram a colaboração da poeta Mel Duarte, que também consta na lista. 

imagem 1

Segundo as curadoras, a ideia não era fazer uma lista definitiva das melhores ou maiores autoras pretas brasileiras, mas criar um ponto de partida para novos leitores que estejam interessados em conhecer melhor essas escritoras. Por isso, o site da Margens criou um link com um formulário para que outras autoras que desejem ser incluídas na lista possam se auto mapear. A maior parte dos nomes citados na relação possui fotos, vídeos ou links para compra de seus livros. Além disso, a curadoria recomenda o acervo da Livraria Africanidades

Como a lista aumenta de tempos em tempos, é interessante checar periodicamente para conhecer novos nomes e trabalhos. Para citar alguns exemplos, a relação traz escritoras como Ana Maria Gonçalves, vencedora do prêmio Casa de Las Américas com seu livro “Um defeito de cor”; Bianca Santana, ganhadora do Prêmio Jabuti com o livro “Quando me descobri negra”; e Jurema Batista, uma das 1000 mulheres do mundo indicadas para ganhar o Prêmio Nobel da Paz. É hora de prestigiar nossas autoras. Boa leitura!