5 curiosidades sobre a vida e a obra de Fiódor Dostoiévski

Conheça um dos maiores autores russos de todos os tempos

Autor de sucessos como “Crime e Castigo” e “Os Irmãos Karamázov”, Fiódor Dostoiévski nasceu em Moscou, na Rússia, em 11 de novembro de 1821 e entrou para a história ao retratar como poucos os hábitos da sociedade russa, mas também a complexidade do ser humano. Antes de falecer, em 1881, nos deixou 14 romances e outros diversos contos, todos celebrados e lidos ainda hoje com o mesmo entusiasmo de quando foram lançados. Mas, além disso, teve uma vida cheia e movimentada. 

Por isso, para comemorar os 199 anos de nascimento de um dos escritores que mudou o mundo da literatura, decidimos separar fatos curiosos sobre seus livros e sua vida que nem sempre são comentados. Conheça agora cinco curiosidades de um dos maiores escritores de todos os tempos.

Dostoiévski2

1 – Antes da literatura, a engenharia

Mesmo já sendo amante das letras, Dostoiévski ingressou na Escola de Engenharia Militar da cidade de São Petersburgo. Depois de se formar, chegou a trabalhar como engenheiro em um cargo público. A paixão pela literatura, porém, fez com que pedisse demissão da função para poder se concentrar unicamente às suas histórias, contos e romances. A troca deu frutos logo de cara e, dois anos depois, publicou seu primeiro livro, Gente Pobre, lançado em 1846. Foi o primeiro de muitos e, a partir daí, Dostoiévski não voltou mais a trabalhar como engenheiro. 

2 –  Precisou escrever para pagar dívidas de jogo

Dostoiévski enfrentou dificuldades financeiras ao longo de sua vida, em grande parte devido ao que hoje poderia ser diagnosticado como um grande vício debilitante pelo jogo. Tanto que, em um incidente específico, ele concordou em escrever um romance para saldar suas dívidas. Para garantir a entrega do trabalho, ele tomou parte em um contrato que daria a seu editor os direitos de todas as suas obras publicadas anteriormente por um período de nove anos se deixasse de produzir um romance até a data estipulada.

3 – Escreveu num romance inteiro em 26 dias

Como resultado da celebração do contrato relatado no parágrafo anterior (do qual muitos considerariam questionável), Dostoiévski tomou uma decisão.Parou o romance que já estava escrevendo, e que se tornaria depois o mais que celebrado Crime e Castigo (do qual ele sabia que não poderia terminar no prazo), e começou a produzir, o mais rápido possível, outro romance. Este livro acabou sendo finalizado em apenas 26 dias e não poderia deixar de ser outro: O Jogador, que acabou sendo lançado em 1867. O pequeno romance trata sobre um jovem tutor empregado por um general russo anteriormente rico e reflete o próprio vício de Dostoiévski pelo jogo (mas especificamente pela roleta).

4 – Fez parte de uma execução simulada e acabou exilado

Após a publicação e calorosa recepção de seu primeiro romance, publicado quando tinha apenas 25 anos, Dostoiévski se juntou a um grupo de discussão liberal e ateu acusado de conspirar contra o czar Nicolau I. Na tentativa de fazer do grupo um exemplo para outros, o czar sentenciou todos eles à morte por pelotão de fuzilamento. Antes da execução real, no entanto, foi aparentemente combinado que cada condenado seria submetido a uma decapitação simbólica, com uma espada falsa quebrada sobre suas cabeças. Feito isso, o pelotão de fuzilamento se preparou para atirar – mas foi cancelado no último segundo por um enviado do czar, que anunciou a suspensão da execução. Porém, o final do castigo não foi tão ameno. O grupo de dissidentes, Dostoiévski incluído, foi condenado a trabalhos forçados na Sibéria. Lá, acabou sofrendo seu primeiro ataque de epilepsia, doença com a qual conviveu depois até sua morte.  

5 –  Foi tutor dos filhos do czar Alexandre II 

Embora tivesse tido pouca sorte com o czar Nicolau I, como vimos no parágrafo anterior, a fama final de grande escritor aparentemente tornou Dostoiévski mais bem visto pelo regime czarista. Na verdade, o sucessor de Nicolau, o czar Alexandre II, certa vez ordenou a Dostoiévski que realizasse uma leitura em seu palácio, insistindo depois para que se tornasse tutor de seus filhos. O escritor acabou por aceitar o convite, mas enfrentou logo depois uma tragédia pessoal que o abalou para sempre: a morte de seu filho Aleksei. O fato acabou afetando também os rumos de uma de suas maiores obras, Os Irmãos Karamázov, finalizada em 1879. 

Dostoiévski1